Notícias

Dia Mundial da Visão: prevenção desde a primeira infância à terceira idade

 

80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados

* 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados
* Para cada faixa etária, cuidados específicos devem ser tomados

Celebrado neste ano em 13 de outubro, o Dia Mundial da Visão tem como objetivo conscientizar o público sobre a prevenção e o tratamento dos diversos problemas que podem acometer os olhos e a necessidade de acompanhamento médico especializado desde o nascimento. Isso porque 80% dos casos de deficiência visual poderiam ser evitados ou tratados se as pessoas fossem com frequência ao oftalmologista.
 
Nossos olhos são responsáveis por cerca de 80% das informações que chegam a nós, possibilitando que a luz emitida pelos objetos seja transformada em uma imagem nítida na retina, para ser traduzida ao cérebro. Dessa forma, o cuidado com a visão deve ser observado desde cedo.
 
Recém-nascidos e primeira infância
 
Logo após o nascimento, é necessária a limpeza do bebê como um todo, inclusive a região externa dos olhos. Obrigatória por lei, a aplicação do nitrato de prata, na forma de colírio, acontece para exterminar quaisquer patógenos advindos do canal do parto e que possam infectar os olhos.
 
Outra medida importante é a realização do teste do reflexo vermelho (teste do olhinho), no qual o médico observará através de um oftalmoscópio o reflexo da luz emitida pelo aparelho na retina. Quando se observa um reflexo forte e similar, nos dois olhos, temos um exame normal, mas se algum dos olhos não emitir o reflexo da luz, provavelmente apresenta alguma alteração como, por exemplo, catarata ou problemas retinianos.  
 
"Uma avaliação de rotina com um oftalmologista é recomendada dentro dos primeiros meses de vida, de preferência entre 4 e 8 meses, e a partir de então, a cada ano. Entretanto, nos primeiros dias, é importante que os responsáveis observem se o bebê apresenta lacrimejamento intenso e constante, fotofobia (sensibilidade intensa mesmo com luminosidade normal), olhos com pouco brilho ou com a córnea "embaçada/acinzentada”, e falta de interesse pelo ambiente que o rodeia. Estes sintomas podem ser resultado de glaucoma congênito e devem ser observados pelo menos até os dois anos de idade”, comenta o Dr. Fabio Pimenta de Moraes, especialista em oftalmopediatria e estrabismo do H.Olhos – Hospital de Olhos Paulista.
 
Ainda na primeira infância, entre os seis meses até os 5 anos, período de maior desenvolvimento visual, o alerta é para o estrabismo. A doença é caracterizada pelo desequilíbrio na função dos músculos oculares e causa um desalinhamento dos eixos visuais. O tratamento envolve corrigir algum grau de refração, o uso de tampão e deve acontecer logo que for percebido, às vezes logo nos primeiros meses. Além disso, em alguns casos, métodos cirúrgicos podem ser empregados após o primeiro ano de vida.
 
"Se não for corrigido, o estrabismo afetará o desenvolvimento correto da visão, privando a criança da capacidade de visão binocular (3D) e pode impedir seu desenvolvimento completo, gerando a ambliopia (olho preguiçoso). É essencial ressaltar que aos 7 anos o sistema visual estará completamente formado e perderemos a chance de proporcionar uma melhor visão à criança estrábica”, diz o Dr. Fabio.
 
Em fase de crescimento
 
Entre os 8 e os 14 anos, os erros de refração, como a miopia (dificuldade para enxergar objetos distantes) e a hipermetropia (embaçamento da visão) são os problemas oculares que normalmente acometem as crianças e pré-adolescentes. Os erros de refração devem ser corrigidos sempre que limitarem a capacidade visual dos indivíduos, pois podem levar a um desenvolvimento incompleto da visão, causar dificuldade para o aprendizado, trazer insegurança e propensão de se machucarem em quedas ou acidentes.
 
"É essencial uma consulta ao oftalmologista ainda na fase pré-escolar. Se constatado o erro de refração, as consultas devem realizadas a cada seis meses, pois pode haver uma tendência do grau da miopia e/ou da hipermetropia evoluir ao longo dos anos. A estabilização geralmente acontece por volta dos 21 anos, com o fim da etapa de crescimento”, destaca o médico.
 
À medida que a idade chega
 
A partir dos 40 anos, a pessoa pode desenvolver glaucoma, que, quando não tratado, pode levar à cegueira irreversível. A doença é caracterizada pelo aumento da pressão ocular, o que provoca lesão nas fibras do nervo óptico, levando ao comprometimento visual. Visitas anuais ao oftalmologista para controle da pressão ocular e da condição do nervo são essenciais para detectar precocemente qualquer alteração e iniciar o tratamento o quanto antes.
 
A partir dos 50 anos, os cuidados com os olhos devem ser redobrados. Nessa idade, as pessoas ficam sujeitas a doenças como a catarata – opacificação do cristalino (lente natural do olho), que resulta em uma diminuição progressiva da visão. Apesar de levar à cegueira, é uma situação reversível que pode ser corrigida por meio de cirurgia.
 
Outras doenças que podem ocorrer nessa fase da vida são a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) e a Retinopatia Diabética (RD). A DMRI afeta a região principal da retina chamada mácula e é progressiva, podendo levar à perda da visão central. Entretanto, é importante ressaltar que o tratamento não visa a recuperação da visão, mas sim evitar a progressão da doença. Já a RD, trata-se da manifestação do diabetes nos vasos sanguíneos da retina e é uma das grandes causas de cegueira no mundo. Exames de retina como fundoscopia, retinoscopia indireta e retinografia, devem ser feitos regularmente por pacientes diabéticos para detectar precocemente a doença, e o tratamento inclui o controle da Diabetes e pode necessitar de fotocoagulação a laser, para controlar o sangramento dos vasos da retina, de vendo começar de imediato para evitar a progressão.
 
"A visita anual ao oftalmologista é fundamental, sejam crianças, adultos ou idosos. Esperamos que o Dia Mundial da Visão ajude a conscientizar cada vez mais as pessoas sobre a importância e os cuidados que devem ser adotados com os olhos. Grande parte das doenças oculares pode ser prevenida, controlada, curada e até mesmo evitada”, finaliza o Dr. Fabio.

 

Fonte: Printerpress

Cadastre-se