Notícias

Gravidez afeta a visão

Explosão de hormônios agravam doenças oculares e sistêmicas na mãe.
 
 
Problemas de saúde contraídos na gestação afetam a visão do bebe. Saiba como evitar.
 
Vida de mãe não é fácil. Se você usa óculos, lente de contato ou tem alguma doença ocular vai experimentar uma piora visual durante a gravidez. Segundo o oftalmologista  Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier em Campinas toda gestante deve dar maior atenção à saúde ocular. Isso porque, as mudanças metabólicas, da circulação e nível hormonal provocam desde alterações temporárias na visão que desaparecem após a gestação até a piora de doenças oculares e sistêmicas preexistentes e..
 
Síndrome do olho seco
 
Uma das alterações temporárias é a síndrome do olho seco, uma variação na quantidade ou qualidade da lágrima causada pelas mudanças hormonais. Os sintomas  são: ardência, coceira, queimação, olhos vermelhos e irritados, visão borrada que melhora com o piscar, lacrimejamento excessivo, sensibilidade à luz, desconforto após ver televisão, ler ou trabalhar ao computador. O médico diz que a  síndrome pode ser tratada com  colírio lubrificante, lágrima artificial. Existem muitos tipos de lágrima artificial e nem todas são adequadas para gestantes Por isso, recomenda consultar um oftalmologista antes de instilar qualquer colírio nos olhos. Para reduzir o desconforto, principalmente em mulheres que usam lente de contato, o oftalmologista afirma que também são indicadas cápsulas de semente de linhaça que diminuem a evaporação da lágrima,  reforçando  a camada oleosa.
 
Mudança de grau
 
Queiroz Neto afirma que a maior circulação de hormônios provoca um inchaço generalizado, inclusive na córnea, lente externa do olho que em conjunto com o cristalino focaliza as imagens na retina.  Este inchaço, explica, altera a curvatura da córnea e o grau dos óculos que pode voltar ao que era após o parto.
 
Manchas escuras
 
Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que no Brasil 14% das gestantes têm mais de 40 anos2 18% entre 15 e 19 anos. Segundo Queiroz Neto estes dois grupos correm maior risco de contrair um fator de risco para o desenvolvimento da pré-eclâmpsia. A doença acontece depois da 20ª semana de gravidez, quando além da hipertensão a mulher  elimina proteína pela urina e tem inchaço generalizado.  Representa a maior causa  de morte  da gestante e do feto. A boa notícia é que a dopplerfluxometria pode  antecipar o diagnóstico. O especialista explica que o exame é uma espécie de ultrassom e faz o diagnóstico precoce da hipertensão gestacional e da pré-eclâmpsia. Os sintomas são manchas e pontos escuros na visão .
 
Piora de doenças oculares
 
Mulheres que têm ceratocone, doença que afina e deforma a córnea, podem experimentar piora da doença na gestação por conta da retenção de água pelo organismo.. Para evitar que a doença evolua para transplante de córnea, o especialista recomenda aplicação de crosslink. A terapia, explica,  interrompe a evolução do ceratocone, associando radiação UV e vitamina B2 para fortalecer as ligações das fibras de colágeno da córnea em até três vezes.
 
Entre gestantes com mais de 40 anos, ressalta,  o glaucoma também se  agrave na gestação por casa da dificuldade de circulação do humor aquoso decorrente do edema nos tecidos oculares
 
Visão do bebê
 
Queiroz Neto explica que o bebê pode perder a visão por catarata congênita. tumor ocular ou inflamação na retina  quando a mãe contrai sífilis durante a gestação e a transmite através da placenta para a criança. Outra doença sexualmente transmissível que pode levar o bebê à perda parcial da visão é o herpes genital transmitido na hora do parto pelo rompimento de alguma ferida da mãe.  O consenso médico é de que o uso de preservativo nas relações pode quebrar a epidemia de sífilis e outras doenças sexuais. Gestantes devem redobrar a proteção.
 
Para preservar a visão do bebê o médico recomenda que as mulheres também verifiquem se tomaram as duas vacinas contra rubéola antes de engravidar. Durante a gestação chama a atenção para o consumo de verduras e frutas mal lavadas que podem transmitir toxoplasmose para ao feto. A prevenção dessas doenças eliminam o risco de doenças oculares congênitas, maior causa de cegueira infantil.
 
Fonte: LDC Comunicação
 
Cadastre-se